Seu navegador tentou rodar um script com erro ou não há suporte para script cliente.
Início do conteúdo
Página inicial > Comunicação > Notícias > Palestra sobre doação de sangue e medula óssea encerra Campanha DOE-SE na Corag
RSS
A A A
Publicação:

Palestra sobre doação de sangue e medula óssea encerra Campanha DOE-SE na Corag

Campanha DOE-SE ressaltou importância de doações e voluntariado
Campanha DOE-SE ressaltou importância de doações e voluntariado

A Corag recebeu na tarde desta sexta-feira, 4 de novembro, a palestra do doutor Gerson Luís Basso, do Hemocentro do Estado do Rio Grande do Sul (Hemorgs), tendo como assunto a doação de sangue e de medula óssea. O evento encerrou a Campanha DOE-SE da Corag, iniciativa da Coordenadoria de Gestão com Pessoas e da Assessoria de Comunicação da empresa que, visando divulgar informações sobre procedimentos de coleta de doações e sua importância, ofereceu uma série de palestras aos colaboradores sobre o tema.

No evento, Gerson Luís demonstrou com dados que, apesar do crescimento do transplante de órgãos, de cirurgias e dos atendimentos de urgência nos últimos anos, as doações não cresceram na mesma proporção; um total de 2% da população brasileira realiza doações, quando o ideal seria aproximadamente 4%. O palestrante esclareceu com detalhes os cuidados e procedimentos nas doações, tais como frequência e intervalo máximo para homens e mulheres, especificações do cadastro de doadores, pré-triagem e triagem clínica. Gerson salientou que uma única doação pode ajudar quatro pessoas diferentes, devido à separação dos diversos componentes sanguíneos, como plaquetas e plasma, utilizados em situações diversas.

A Campanha DOE-SE também recebeu o doutor Rogério Caruso, da Central de Notificação, Captação e Distribuição de órgãos e Tecidos do Estado (CNCDO/RS) no dia 27 de outubro, para uma palestra sobre doação de órgãos. Rogério explicou sobre os requisitos para que se possa realizar uma doação de órgão de uma pessoa viva dentro e fora da família (no último caso, mediante autorização judicial), e o funcionamento da doação de uma pessoa já falecida (com no máximo 6h após parada cardíaca e com a necessidade de consentimento familiar).

Endereço da página:
Copiar