Seu navegador tentou rodar um script com erro ou não há suporte para script cliente.
Início do conteúdo
Página inicial > Institucional > História
RSS
A A A

História

Com 42 anos completados neste 11 de setembro de 2015, a história da Corag começa muito antes de sua fundação. “A Federação”, veículo de divulgação dos ideais políticos do Partido Republicano Rio-grandense, liderado por Júlio de Castilhos, é o que podemos chamar de “semente” do Diário Oficial do Estado, na então Província de São Pedro do Rio Grande do Sul.

A primeira edição circulou em 1º de janeiro de 1884. Seu primeiro diretor de redação foi Venâncio Aires. O jornal rebatia os argumentos monarquistas e lutava pela emancipação dos escravos. Posteriormente, “A Federação” passou a funcionar como veículo de difusão dos atos oficiais do Governo do Estado, embora fosse entidade de direito privado.

Como órgão do Partido Republicano do Rio Grande do Sul, “A Federação” ficou ao lado do movimento de 03 de outubro de 1930. Porém, divergências surgidas dentro do partido levaram a uma cisão entre os liderados por Borges de Medeiros e os que seguiam orientação do Interventor Federal no Estado, Gen. Flores da Cunha, que permanecera ao lado do então Presidente Getúlio Vargas. Desta cisão resultou a criação do Partido Republicano Liberal, sob a chefia de Flores da Cunha, tendo “A Federação” como porta-voz.

Diário Oficial

Em 1933, o jornal “A Federação” tornou-se Diário Oficial do Estado por Decreto do Interventor Federal José Antônio Flores da Cunha (Decreto de nº 5.240 de 12 de janeiro de 1933). Isso, no entanto, não alterou a situação jurídica do jornal, que continuou a ser o órgão do Partido Republicano Liberal e, simultaneamente, Diário Oficial. No ano seguinte, através do Decreto nº 5.644, de 12 de julho de 1934, “A Federação” passa a ser propriedade do Estado e é criada a Imprensa Oficial do Estado do Rio Grande do Sul. Em 1º de junho de 1935 o jornal passa a circular como “Diário Oficial do Estado”, separado de “A Federação”.

Já em 1937, com a instauração do Estado Novo, inicia-se um período de censura aos meios de comunicação e, por ordem do Interventor Federal Gen. Daltro Filho, são extintos o “Diário Oficial” e “A Federação”. Ainda no mesmo ano, foi criado o “Jornal do Estado” (Decreto nº 6.853, de 18 de novembro de 1937) que, sob a direção de Emilio Kemp, passou a veicular tão somente assuntos administrativos, tais como planos, obras, viagens e visitas de autoridades, artigos e reportagens sobre órgãos oficiais.

Em 31 de março de 1939, sob direção de Manoelito de Ornellas, o jornal amplia suas dimensões, passando a veicular o noticiário nacional e internacional, assim como cobertura das atividades artísticas, culturais e esportivas. Também ganham página própria as publicações do Poder Judiciário. O parque gráfico é modernizado e ampliado.

Em 1950, durante a gestão de Timóteo de Freitas, a sede do Diário Oficial sofre violento incêndio, inutilizando completamente as instalações do velho prédio, na esquina da Rua Caldas Júnior com Rua dos Andradas. Os setores do jornal foram distribuídos, precariamente, em vários locais. Após uma série de estudos, o Governo do Estado decidiu restaurar e ampliar o antigo prédio, cuja estrutura, pela sua solidez, havia sobrevivido às chamas.

Fundação da Corag

Com o passar dos anos, no entanto, a Imprensa Oficial do Estado passou a exigir mais espaço do que o antigo prédio podia oferecer. Foi dado início ao projeto para a construção de uma nova sede, que até hoje abriga a Imprensa Oficial do Estado. Em 11 de setembro de 1973, pela Lei nº 6.573, foi constituída a CORAG – Companhia Rio-grandense de Artes Gráficas -, Sociedade de Economia Mista e Capital Autorizado, vinculada à Secretaria de Recursos Humanos, tendo Mario Masson Nogueira como seu primeiro Diretor-Presidente.

À época, a CORAG editava, imprimia, publicava e distribuía o Diário Oficial do Estado, o Diário da Assembleia, o Diário da Justiça e o Diário de Indústria e Comércio. A efetiva ocupação da nova sede, um prédio com área de 10.600 metros quadrados, situado na Av.Aparício Borges, nº 2199, se deu em 11 de outubro de 1973.

Os equipamentos foram modernizados e a Corag logo se tornou referência nacional em tecnologia. Dispunha de quase uma dezena de impressoras "offset" novas e uma impressora rotativa de oito unidades para produção em cores, entre outros equipamentos de ponta. A Corag expandiu sua atuação. Atualmente é referência no Gerenciamento Eletrônico de Documentos (GED), Impressão de Segurança e na edição e impressão de livros técnicos de interesse do Estado, entre outros.

A Corag também tornou-se referência no desenvolvimento de projetos de Responsabilidade Social. Entre eles, destaca-se a parceria com a Fundação Projeto Pescar, destinada a oferecer qualificação profissional, desenvolvimento pessoal e cidadania para jovens em situação de vulnerabilidade social.

Endereço da página:
Copiar